sexta-feira, 21 de maio de 2010

Cientistas criam bactéria com genoma artificial

Cientistas do Instituto J. Craig Venter anunciaram nesta quinta-feira (20) que fizeram o primeiro organismo vivo a partir de um genoma criado em laboratório. Trata-se do primeiro mapa genético criado sinteticamente, que, neste caso, é uma bactéria já existente. A Mycoplasma mycoides , que tem um genoma muito simples, que ocupa apenas um cromossomo (os humanos possuem 46, ou 23 pares). O sequenciamento genético da bactéria foi copiado totalmente em laboratório e implantado em uma célula receptora, que sobreviveu. A nova bactéria se reproduziu mais de um bilhão de vezes, produzindo cópias com o mesmo DNA sintético.
Os pesquisadores esperam que o software usado nessa primeira experiência possa produzir bactérias sintéticas com finalidade prática. A ideia é usá-las para produzir remédios, vacinas e combustíveis menos poluentes, e que possam até absorver gases do efeito estufa. "Eu acho que elas potencialização uma nova revolução industrial", disse Venter. Ele e seus colaboradores já estão em parceria com companhias farmacêuticas e de combustíveis.
Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Science. Os pesquisadores recriaram quimicamente as proteínas que formam a base do DNA – adenina, guanina, citosina e timina. Para a M. mycoides, essas quatro proteínas se ligam, em pares, 580 mil vezes. Depois de ligados, os fragmentos foram montados, transformando-se num cromossomo artificial. 
Segundo essa pesquisa o sequenciamento genético 100% sintético possibilitará criar medicamentos e combustíveis verdes no futuro.

Fonte: Revista Época